Como o clima pode afetar a qualidade do arroz na sua mesa?

Como o clima pode afetar a qualidade do arroz na sua mesa?

Parece bobagem, mas o clima influencia bastante na qualidade de arroz e o Estufa, tem boa participação nisso. Saiba mais!

Quando você encontra aquele arroz soltinho sobre a mesa, na panela de barro, cujo  cheiro desperta a fome até de quem já almoçou, não imagina que para aquele arroz chegar soltinho à sua mesa e ser servido com gosto, uma série de estudos aconteceu para que a qualidade de cada grão fosse inconfundível.

O tradicional arroz que a gente come de colherada, com feijão, bife, salada, batata ou frango, passa por muitos processos que nem sequer imaginamos e muitas podem ser as suas variações, até por culpa de um efeito bastante conhecido, mas que pouca gente presta atenção: o chamado efeito estufa.

O efeito estuda tem o poder de influenciar o cultivo de milhares de hectares no Brasil, e fazer com que o tempo de desenvolvimento, qualidade, tamanho e outros sejam altamente influenciados.

Pode parecer bobagem, mas, a poluição e as altas temperaturas que o efeito estufa gera, não somente faz grande mal à nossa saúde como das plantas também e por consequência, do cultivo de arroz. Vejamos um pouco mais:

Mudança climática e arroz: O que tem em comum?

Por conta das atividades realizadas pelo homem nos vários campos do comércio e atividade industrial, os níveis de Dióxido de Carbono (CO2), Metano (CH4) e Óxido Nitroso, aumentam continuamente na atmosfera terrestre, gerando o efeito estufa, responsável pelo aumento de calor que prejudica a inúmeros cultivos, causando mal-estar na população e agravando transmissões de doenças.

O chamado CO2, a princípio, é considerado bom para a fotossíntese. Ajuda no crescimento e rendimento das culturas, pois é o principal “alimento” da planta. Contudo, a concentração desses gases cria uma película impermeável na qual o ar se torna mais seco, denso e carregado de poluição e claro, a temperatura se eleva uma vez que o ar quente se acumula sem escape.

Tal efeito sobre as plantas é desastroso demais, visto que encurta o seu desenvolvimento e causa males aos órgãos reprodutivos.

Um exemplo disso é o Rio Grande do Sul, o Estado brasileiro que mais produz arroz, respondendo por 69% do arroz distribuído de norte a sul. O Estado cultiva por ano cerca de 1,1 milhão de hectares de arroz.

Conforme estudos sobre os impactos das mudanças climáticas na agricultura brasileira, segundo parte destes estudos voltada para o cultivo de arroz irrigado, o aumento das temperaturas provocado pelo efeito estufa, fez com que boa parte deste cultivo tivesse o seu tempo de vida útil reduzido drasticamente. Só no Rio Grande do Sul, a temperatura aumentou por conta do efeito estufa em torno de 2 a 3 graus.

Tais estudos descobriram que, quanto maior a temperatura provocada pelo efeito estufa, mais a planta se vê obrigada a respirar e com isso, tem o seu desenvolvimento acelerado. Quando mais acelerado, menor a qualidade dos grãos e com isso, a irrigação tem que ocorrer em maior quantidade, a fim de tentar conter este processo.

Sem o devido tempo, o arroz rende menos na colheita e portanto, menos na mesa do brasileiro.

Algumas técnicas agrícolas são, no entanto, testadas ano a ano, a fim de conter os efeitos das mudanças climáticas. Uma delas é a SimulArroz, um projeto que teve início em 2003, por meio do Grupo de Agrometeorologia da UFSM. Este projeto visa experimentos de várias técnicas aplicada à lavoura de cultivo de arroz em condições das mais diversas.

A ideia, frutos de outros experimentos realizados em cultivos de arroz na Ásia, deu resultados e favorece o equilíbrio da lavoura em condições climáticas inconstantes.

Bom para o agricultor, para as exportações e melhor ainda para o brasileiro.

Quer saber qual é o melhor tipo de arroz para o seu consumo? Entre em contato! Vamos elaborar uma dieta personalizada para você!

Consultoria Alimentar – Unidade Tatuapé – São Paulo: 11 2091-1499 / 11 2295-0947 e 11 99228-8515.

Consultoria Alimentar – Unidade Vila Mariana – São Paulo: 11 3467-4625 / 11 3467-4631 e 11 98415-3780.